/ Principal / Polícia Aposentado é morto pelo primo na Harmonia Preso, suspeito alegou que dois homens cometeram o crime na madrugada de sábado
Maykon Martins 4/7/2011 17:56:47
Tamanho da fonte
  
Carro de Zé Orlando foi encontrado todo queimado próximo ao trevo de Serrania
Clique aqui para ver mais fotos.
Um homem de 66 anos foi brutalmente assassinado na madrugada sábado, 2 de julho, no sítio onde residia no bairro rural Harmonia. Preso poucas horas depois, o suspeito é um primo que morava com o aposentado há cerca de um mês.

Conhecido na cidade por trabalhar durante muito tempo na antiga Padaria Central, José Orlando Flausino foi morto a golpes de faca e martelo provavelmente na madrugada em sua propriedade que fica às margens da estrada de acesso a balsa do distrito de Barranco Alto.

O crime foi descoberto por um irmão que foi ao local por volta das 7h de sábado para ordenhar as vacas. Ele chamou a Polícia Militar depois de ver a porteira aberta e sinais de sangue na garagem e em vários cômodos da casa que também estava destrancada e revirada. Haviam marcas de sangue no chão, onde houve a tentativa de limpeza com água, e parede próximo a cabeceira da cama. Não encontrou o primo, o irmão nem o veículo dele, um Fusca vermelho.

Ele apontou como suspeito o primo Antonio Carlos de Souza, 48 anos, que estava há cerca de trinta dias residindo com o irmão depois de pedir para ficar no local temporariamente - supostamente recebeu ameaças no Pinheirinho, bairro onde residia. O provável motivo para um crime seriam os cerca de R$ 3 mil que Zé Orlando (como era conhecido), guardava em casa em função da recente venda de sacas de milho.

Logo após o início das buscas, uma equipe da PM foi até a casa do acusado, no Pinheirinho, mas não o localizou. Pouco tempo depois veio a informação de que uma sobrinha ligou para o celular do aposentado. Quem atendeu a ligação foi Antonio Carlos que disse estar num bar às margens da BR-491 (entre o aterro Gutierrez e o trevo de Serrania), deixado por bandidos que roubaram o sítio. Os militares foram ao estabelecimento onde encontraram o homem com as calças manchadas de sangue e molhada do joelho pra baixo.

Versão do suspeito - Questionado pelos policias, Antonio Carlos alegou que ele e o primo foram abordados durante a madrugada, na propriedade rural, por dois homens que chegaram numa picape. Segundo ele, mesmo armados de revólver e pistola eles mataram Zé Orlando em seu quarto com “quatro ou cinco” marteladas na cabeça. Depois teriam revirado a moradia para roubar os pertences, como uma espingarda cartucheira (calibre 28).

De acordo com ele os ‘bandidos’ colocaram o aposentado ainda consciente na carroceria da caminhonete e o obrigaram a pegar o Fusca e ir na frente até a BR-369, sentido à Campos Gerais. E a aproximadamente 30m da Ponte das Amoras os homens armados o fizeram passar o corpo para o carro, sendo que um deles passou a dirigi-lo até o meio da estrutura de concreto para jogar o cadáver nas águas do Lago de Furnas. Após, o suposto criminoso retornou e novamente o fez guiar o Fusca, desta vez rumo à BR-491 passando por um posto de combustíveis no perímetro urbano, perto do trevo, por volta das 4h30.

Entrando várias vezes em contradição, Antônio Carlos contou primeiro que foi obrigado a deixar o carro no canavial, junto ao trevo de Divisa Nova, e retornar a pé para Alfenas enquanto os mesmos seguiram para Areado. O Fusca, porém, foi encontrado ainda em chamas perto do trevo de Serrania, a cerca de 7km antes e pouco mais de 800m distante do bar onde se encontrava. Em declaração informal, argumentou que só não foi morto porque completava 48 anos exatamente naquele dia, além de mostrar aos ‘bandidos’ exames que indicariam que estava com câncer.

Corpo encontrado - No entanto ele foi levado pelos policiais até a Ponte das Amoras. No local haviam manchas de sangue no gradil e pegadas que coincidiam com o solado do par de botas que o primo calçava. Solicitados, também compareceram equipes da Polícia Civil, o perito Marco Antonio Ventura (já tinha feito o trabalho no sítio) e mergulhadores do Corpo de Bombeiros. Em poucos minutos de buscas acharam o corpo de Zé Orlando com uma corda na perna esquerda e preso a um lençol com pedras. Em perícia preliminar verificou-se sete perfurações de faca no peito e dois ferimentos na cabeça, efetuados possivelmente com martelo, que chegaram a transpor a caixa craniana.

Por causa das enormes evidências, Antonio Carlos foi preso em flagrante e levado para a 2ª Delegacia Regional de Polícia Civil e posteriormente para o Presídio de Alfenas. Queimado, o veículo foi guinchado até o pátio da Polícia Civil. Além disso, a PM não localizou o dinheiro nem a arma citada pelo suspeito.

José Orlando foi sepultado às 10h de domingo, 3 de julho, no primeiro cemitério (Praça da Saudade).
Leia mais
 

Voltar
Rádio Atenas FM Rádio Cultuma AM Gráfica Atenas Hotel dos lagos Tv Cafenas
Jornal dos Lagos - Ruas Bias Fortes, 191 - Centro - Alfenas